Voz de Angola - Opinião

Setembro passará a se estabelecer como uma marca cimeira no seio do MPLA, em virtude do líder que deu tudo quanto autenticou como vida que marcou a sua existência enquanto jovem, adulto e até mesmo idoso, tudo, mas tudo, entregue na satisfação dos interesses cimeiros dos angolanos, da Pátria e do MPLA. Há-de ausentar-se de maneira ininterrupto da Presidência do MPLA, aquele que determinou o encontro com um novo sentido do tempo em Angola, determinando o fim das calamidades geopolíticas que marcaram o passado do país.

A União Nacional para Independência Total de Angola (UNITA), maior partido na oposição angolana, lamentou hoje a morte de Afonso Dhlakama, presidente da Renamo, considerando-o "fator decisivo para mudanças políticas importantes" em Moçambique.

Não se julgar e nem se condenar José Eduardo dos santos não é um convite ao crime?

Até agora todas as denúncias feitas por gente engajada em investigações de desvios e verdadeiros roubos feitos aos cofres públicos em Angola apontam que tudo foi feito com a assinatura de JES, além disto já faz tempo que se conseguiu provar publicamente de que JES é um criminoso se considerando que nomes de bancos e até números de contas no estrangeiro foram mostrados a imprensa nacional publicamente.

A Governação Corporativa e o Compliance, sempre estiveram na hiearquia das preocupações prioritárias das autoridades responsáveis pela supervisão do sistema financeiro e no caso de Angola com a mudança do paradigma de governação, cada vez mais a Governação Corporativa e o Compliance irão constituir um imperativo dentro do espectro da economia Angolana, face aos desafios futuros.

Muitos me têm estado a fazer a mesma pergunta: “Porquê que só agora em 2018, vens defender publicamente que o Presidente do MPLA não seja o Presidente da República?”