Telecomunicações em Angola "evoluíram exponencialmente" nos últimos anos - governo

O ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação de Angola apontou hoje como um desafio a "extensão da rede comunicacional" do país, que nos últimos 15 anos "evoluiu exponencialmente" no uso das telecomunicações.

José Carvalho da Rocha, que falava à imprensa à margem de um workshop para assinalar o Dia Internacional das Telecomunicações e da Sociedade de Informação, referiu que o setor que dirige continua a ter enormes desafios.

"Os desafios hoje são bastantes. Continuamos a trabalhar para que os utilizadores das comunicações eletrónicas continuem a evoluir exponencialmente, esse é um grande desafio, para isso há uma série de coisas que temos de continuar a fazer", disse.

Os desafios, explicitou, passam pela construção de redes e a sua extensão para todo o território.

A "evolução exponencial" das telecomunicações em Angola foi assinalada pelo governante como o "maior passo" nos últimos anos.

"Verificamos que se confirma na rua, com todos os extratos da nossa população a usarem comunicações eletrónicas, isso representa uma evolução de trabalho que foi feito particularmente nestes últimos 15 anos, foi um trabalho árduo", realçou.

Questionado sobre os atuais custos dos serviços das telecomunicações em Angola, José Carvalho da Rocha considerou que "ainda não são os ideais", garantindo trabalho para se estar muito mais próximo da situação ideal.

O ministro inaugurou ainda uma academia denominada "Huawei - ITEL", uma "oferta formativa" da multinacional chinesa de telecomunicações.

O diretor-geral do Instituto de Telecomunicações (ITEL) de Angola, André Pedro, valorizou a academia, apontando as suas valências para os jovens em formação naquela instituição pública e não só.

"Anualmente poderemos formar 1.060 jovens só para a academia que foi aberta hoje. A academia vai-nos fornecer várias valências técnicas para os alunos que concluem o ensino médio e tencionam ingressar ao ensino superior", apontou.

Rate this item
(0 votes)
. .
.
.