A Governação Corporativa e o Compliance, sempre estiveram na hiearquia das preocupações prioritárias das autoridades responsáveis pela supervisão do sistema financeiro e no caso de Angola com a mudança do paradigma de governação, cada vez mais a Governação Corporativa e o Compliance irão constituir um imperativo dentro do espectro da economia Angolana, face aos desafios futuros.

Muitos me têm estado a fazer a mesma pergunta: “Porquê que só agora em 2018, vens defender publicamente que o Presidente do MPLA não seja o Presidente da República?”

O termo "bicefalia" não é unívoco e, pois, deve-se distinguir-lhe os sentidos; "bicefalia", pode significar em primeiro ângulo, os valores essenciais que sustentam a coexistência de duas lideranças paralelas e coesas, expressas numa unidade de acção à luz dos mesmos interesses políticos e partidários.

E o que ficou provado?

A covardia, medo e hipocrisia dos que fingem que o contestam, também ficou bem claro de que JES é o MPLA e o MPLA é o JES, quanto aos restantes não passam de simples seguidores arrastados pela sua pujança segurança e confiança.

A minha entrevista a Voz da América (VOA), no programa Angola fala só, da Sexta-feira, 02, está a provocar muito questionamento por parte dos simpatizantes de Partidos da oposição Angolana por ter dito que Se (condicional) João Lourenço não mudar no sentido negativo, se continuar com este estilo, eu não vejo neste momento ninguém na oposição política, na sociedade civil verdadeira (excluir Ajprz, Amangola, Movimento Nacional Espontâneo (MNE), Kabuscorp, etc.) e líderes religiosos, capaz de fazer melhor.