Dezenas de angolanos saíram à rua em Luanda contra violência sobre mulheres

Várias dezenas de angolanos saíram hoje à rua em Luanda numa marcha de "repúdio" pela violência contra as mulheres, perante estimativas que apontam para 170 casos registados por dia em 2016.

A marcha, realizada no âmbito do Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres, juntou na capital angolana homens e mulheres de diferentes origens, desde as tradicionais vendedoras ambulantes (ou 'zungueiras') a políticos e ativistas cívicos.

"Mulher não é um saco de pancada", "Maternidade não é um matadouro" ou "Quero ser respeitada" foram algumas palavras de ordem dos manifestantes, que repudiaram a violência e a consequente "desagregação de famílias".

Sob o lema "Parem de matar as mulheres", a marcha organizada pelo coletivo "Ondjango Feminista", controlada de perto pelos efetivos da Polícia Nacional, percorreu algumas ruas da capital e terminou no Largo das Heroínas, no centro de Luanda, com discursos e testemunhos de casos de violência.

A ativista Cesaltina Cutaia, uma das coordenadoras do "Ondjango Feminista" (coletivo autónomo de ativismo e educação em prol dos direitos das mulheres angolanas), salientou, em declarações à Lusa, os "índices elevados de violência contra a mulher" que o país regista.

"Apesar de nós não termos estatísticas completas e sistemáticas, os números que nos chegam são muito grandes. Só no ano passado a média de casos de violência contra a mulher foi de 170 por dia e vários casos - às centenas - de violência sexual, que foram atendidos no Hospital Esperança", disse.

Cesaltina Cutaia demonstrou preocupação com a "crescente onda de violência", agravada nos últimos meses em Luanda e não só, "sobretudo no âmbito da criminalidade que é seguida de rapto, violações e espancamentos e que culmina em morte".

Por isso, sublinhou, seguem-se mais 16 dias de ativismo de luta pela igualdade de género, para alertar para o problema.

"Porque a situação é preocupante, é revoltante e indigno. E como mulheres não nos sentimos seguras, daí que estejamos aqui a marchar para dizer 'chega' a todas as formas de violência que as mulheres sofrem", sustentou.

Testemunhos de mulheres vítimas de diferentes tipos de violência também foram apresentados, incluindo os de 'zungueiras'.

A vendedora ambulante Ana Elisabeth disse que este grupo é alvo de violência diária pelos agentes da fiscalização, devido à sua atividade.

"Além dos fiscais, os policiais têm tido um comportamento desajustado. Batem nas senhoras e fazem disparos no ar, dão-nos corrida ao ponto de as senhoras, muitas delas, serem atropeladas", afirmou.

A vendedora ambulante recordou que estas 'zungueiras' buscam o sustento para a família nas ruas, apelando às autoridades para criarem "locais apropriados para a venda dos respetivos negócios".

Feliciana Abel, de 20 anos, aproveitou o protesto de hoje para denunciar ter sido vítima de espancamento por desconhecidos, que a deixaram em coma durante um mês.

"Era um desconhecido. Raptou-me, estava armado e naquele momento eu pensei que a minha vida atinha acabado. Começou a rasgar a minha roupa, a lutar comigo, bateu-me tanto que fiquei um mês em coma, levei uma surra tremenda e fiquei completamente descaracterizada", recordou.

Jovem artista, também conhecida como "Meduza", Feliciana Abel explicou que deixou de cantar devido ao trauma que ainda carrega, pedindo justiça para o seu caso, até porque, referiu, o agressor continua livre.

"Eu sou mulher, quero a minha liberdade, quero justiça e quero que a polícia encontre o homem que fez isso comigo. Somos livres, somos mulheres, temos os nossos direitos", exortou.

A organização "Ondjando Feminista" defende que o combate à violência contra as mulheres requer a adoção de ações e estratégias coordenadas por parte do Estado e dos seus órgãos, incluindo "leis que efetivamente protejam as mulheres em todos os espaços em que elas se encontram".

Rate this item
(0 votes)
. .
.
.