Voz de Angola - Testemunho de antigo embaixador em Angola no Portugal do PREC marca celebração do 25 de Abril em Luanda

Testemunho de antigo embaixador em Angola no Portugal do PREC marca celebração do 25 de Abril em Luanda

O testemunho de Rui Mingas, embaixador de Angola em Portugal no pós "Revolução dos Cravos" vai ser o ponto alto da "celebração simbólica" do 45.º aniversário do "25 de Abril" [de 1974] em Luanda, disse hoje fonte associativa.

Em declarações à agência Lusa, em Luanda, o presidente da Associação 25 de Abril em Angola, Ludgero Escoval, no cargo desde 2016, lembrou que a efeméride é organizada em parceria com a Liga Angolana de Amizade com os Povos (LAASP) e que pretende "não deixar morrer".

"Esta celebração do 45.º aniversário [do '25 de abril'] é um ato simbólico, que não queremos deixar morrer. Todos os anos temos sempre uma vertente cultural e outra lúdica e recreativa. Mas este ano, resolvemos privilegiar, em função da própria dinâmica que se foi criando nas relações entre Portugal e Angola, a solidariedade entre os povos", sublinhou.

A celebração, que decorrerá na sede da associação, em Luanda, contará com intervenções das duas instituições de solidariedade e de amizade entre os povos, bem como com a participação do Rui Mingas [também autor da canção "Os Meninos do Huambo"], que irá falar sobre a experiência e vivência como embaixador de Angola em Portugal "num momento delicado", durante o chamado Processo Revolucionário em Curso (PREC).

"Acho que dá um bom testemunho", sublinhou Ludgero Escoval, mestre em Direito Público, professor associado e decano da Faculdade de Ciências Jurídicas e Políticas da Universidade Gregório Semedo, em Luanda, e natural de Moura (Alentejo), onde nasceu a 18 de setembro de 1950 (68 anos).

O antigo alferes português, que combatia em Tete (Moçambique) quando se deu o 25 de abril de 1974 em Portugal, regressando a Lisboa em setembro do mesmo ano, destacou também a presença na celebração de uma delegação da Associação dos Moçambicanos, que irá prestar também um testemunho sobre o estado de Moçambique e a necessidade de solidariedade e amizade, sobretudo na sequência do ciclone Idai que devastou o centro do país em meados de março.

Do programa consta ainda a atuação do cantor português Bruno Rodrigues e de um outro, "ainda surpresa", em que se cantará a célebre música de José Afonso "Grândola Vila Morena", a "senha" para o início da "Revolução dos Cravos", que pôs termo ao regime do Estado Novo em Portugal e, por inerência, que conduziu ao fim da guerra na África portuguesa.

Segundo Ludgero Escoval, o primeiro objeto da Associação 25 de Abril em Angola, criada em 1976 e que conta atualmente com cerca de 1.000 sócios, na quase totalidade portugueses, é a solidariedade entre os povos e o estreitamento dos laços entre os dois povos, bem como a representação dos portugueses, "independentemente de quem está no Governo e das políticas que cada um prossegue, e tentar fazer a ponte entre os dois".

A ligação à Associação 25 de Abril em Angola, de que é membro desde que chegou a Angola, em 2002, dá-se pela mão do antigo presidente da instituição, Grandão Ramos, de quem foi colaborador próximo até 2016, e que, "face a uma tragédia pessoal", teve de deixar a organização, em 2016, ano em que assumiu o cargo.

Por outro lado, explicou, a atividade académica trouxe-lhe muitas amizades na esquerda política portuguesa, tendo sido eleito como autarca na Brandoa (arredores de Lisboa), Oeiras e Amadora (foi um dos fundadores da câmara municipal), Moura (terra natal) e Beja.

Rate this item
(0 votes)
Last modified on Terça, 23 Abril 2019 20:42
. .
.
.