Banco de Portugal abre inspeção a banco de Isabel dos Santos por branqueamento de capitais

O Banco de Portugal abriu no final de 2019 uma inspeção por branqueamento de capitais ao Eurobic, avança a TVI. Esta inspeção segue-se a outra realizada em 2015, que determinou a recomendação de mecanismos que agora estão a ser verificados.

A empresária angolana, Isabel dos Santos, é a maior acionista do banco português, com uma participação de 42,5% (25% por via da portuguesa Santoro Financial Holding e 17,5% pela maltesa Finisantoro).​​

​A decisão do Banco de Portugal, que ocorreu antes, acabou por coincidir com as notícias recentes de que a justiça angolana ordenou o arresto de bens e o congelamento de contas e Isabel dos Santos.​

Depois do arresto, decidido há uma semana, o supervisor comunicou estar atento a todos os factos novos que possam ser relevantes para efeitos de reavaliação de idoneidade de Isabel dos Santos mas a instituição liderada por Carlos Costa lembrou também que Isabel dos Santos não integra o Conselho de Administração de qualquer entidade que esteja sujeita à supervisão do Banco de Portugal.

Nas últimas reações ao arresto, a filha de José Eduardo dos santos diz que as suas empresas foram condenadas à morte, admite o risco de fecho de algumas e lembra que entre mais de uma dúzia de empresas que criou em Angola, emprega mais de 10 mil pessoas.

Isabel dos santos considera ainda que o processo é politicamente motivado e acusa o Tribunal de não a ter ouvido, nem tão pouco ter notificado os seus advogados para o efeito.

A TVI avança ainda que a equipa de investigação angolana deste caso colocou em cima da mesa a possibilidade de requerer também o congelamento de contas de Isabel dos Santos em Portugal. No entanto, para Isabel do Santos, a hipótese de Luanda pedir às autoridades portuguesas uma operação de arresto de bens, tal como sucedeu em Angola, “não parece ser um cenário viável”.

Em respostas por escrito ao Público, a empresária diz que os investimentos que fez “são em empresas portuguesas com pouca ou nenhuma ligação a empresas angolanas”. “Algumas, como a Efacec, trabalham em mais de 35 países, e Angola representa menos de 5% do seu volume de negócio”, acrescenta.

Isabel dos Santos destaca que o arresto preventivo decretado pelo Tribunal Cível de Luanda, na sequência de um pedido do Estado, visa apenas os bens e activos presentes em Angola. Assim sendo, diz, “não tem nenhum impacto ou efeito em investimentos fora de Angola, pelo que não produz efeito, directo ou indirecto, em Portugal ou em outros países”, onde, refere, “grande parte dos investimentos são financiados por bancos comerciais portugueses” com os quais diz ter mantido sempre “relações estritamente profissionais”.

O processo na justiça de Luanda avaliará se Isabel dos Santos de facto lesou o Estado de Angola, num total de mil milhões de euros, como contabilizam os investigadores.

Rate this item
(0 votes)
. .
.
.